Francisco Maia & Associados
   

Os 7 mandamentos da acessibilidade

Embora o termo Desenho Universal tenha sido criado pelo arquiteto americano Ron Mace, portador de necessidades especiais no ano de 1987, foi na década de 90 que ele reuniu um grupo de profissionais que transformaram este ideal nos conceitos mundialmente adotados em programas de acessibilidade total, que compreendem os sete princípios do Desenho Universal.

Esses conceitos encontram-se aplicados em um projeto piloto desenvolvido na cidade de São Paulo, que aplica todos esses princípios, e o curioso é a mudança até mesmo no marketing do lançamento, que substitui a tradicional família de jovens casais e seus filhos pequenos pelos avós de seus netinhos.

A imagem da campanha publicitária traduz o primeiro dos sete princípios, definido como igualitário ou do uso de equiparável, cujos espaços, objetos e produtos são concebidos para o uso por pessoas com capacidades diferentes, tornando os ambientes iguais, como, por exemplo, a colocação de portas mais largas, banheiros adaptados ou pisos opacos no hall, medidas que beneficiam todas as faixas etárias.

Na mesma linha, temos o segundo princípio, o adaptável, ou de uso flexível, cujo designer dos produtos é voltado para o atendimento às diversas habilidades e preferências, adaptável a qualquer uso, começando pela concepção do empreendimento, compreendendo uma “grande caixa”, com fechamento nas bordas e o miolo podendo receber diferentes escolhas, e englobando a instalação de rampas para minimizar o desnível e pisos antiderrapentes nas áreas molháveis.

O óbvio, ou de uso simples e intuito é o terceiro princípio, que requer fácil entendimento para que qualquer usuário, independente de sua experiência, possa compreender, não exigindo habilidade de linguagem ou nível de concentração, o que ocorre nos pequenos detalhes, como a adequada escolha dos modelos de torneiras e maçanetas, essas últimas sendo recomendada a do tipo alavanca.

O quarto princípio é o conhecido, ou da informação de fácil percepção, que prega a necessidade das informações serem transmitidas de forma a demanda dos usuários, sejam eles estrangeiros, ou pessoas com dificuldade de visão ou de audição, estando diretamente ligado ao designer e à comunicação visual, sendo exemplo mais comum a aplicação do piso tátil, ou seja, aquele que sinaliza as rotas e obstáculos para pessoas portadoras de deficiência visual, que já começamos a encontrar com maior freqüência, especialmente em empreendimentos comerciais.

Com o intuito de minimizar os riscos e possíveis conseqüências decorrentes de ações acidentais ou não intencionais, surge o quinto princípio, definindo como seguro, ou tolerante ao erro, que tem estreita relação com o imprevisível, onde surge a figura dos pisos antiderrapantes, a correta inclinação das rampas ou a simples colocação de um corrimão.

O princípio do baixo esforço, ou simplesmente sem esforço, surge como sexto item, que prevê o uso eficiente, com conforto e o mínimo de fadiga, que facilitam a vida dos usuários, podem ser exemplificado pela utilização de plataformas, usadas para rever obstáculos onde a rampa não funciona.

O último dos princípios é o da divisão e espaço para aproximação e uso, ou abrangente, cuja idéia é o estabelecimento de dimensões e espaços ao alcance de todos, independente do corpo, como obesos e anões, ou com mobilidade reduzida (cadeira de rodas e carrinhos de bebê), onde devem ser consideradas inclusive áreas de manobra.

Assim como no exemplo citado no início, esperamos que esses princípios, de natureza arquitetônica, se transformem em instrumento de marketing, uma vez que a universabilidade do uso é um conceito que atende a todos, independente de necessidades especiais.

 

Belo Horizonte
Rua Congonhas, 494 -Santo Antonio
CEP 30330-100 Telefone: (31)3281.4030
email: geral@precisaoconsultoria.com.br