Francisco Maia & Associados
   

Inimigo invisível

Publicado em 25 de janeiro de 2009 - Advogado/Engenheiro Francisco Maia Neto

Todos os bens materiais podem, em certo ponto, nos trazer algum transtorno, pelos mais diversos motivos, cujas causas podem ser as mais variadas, mas algumas parecem nos trazer mais problemas do que deveriam, e certamente, a presença de cupins enquadra-se nessa categoria.

Os cupins dividem-se em mais de duas mil espécies, sendo que mais de duzentas (número considerável) são encontradas em nosso país, sendo lembrados por nós pelo fato de alimentarem-se, em grande parte, da celulose, o que pode implicar a destruição de livros e papéis em geral, além da madeira.

Há várias espécies de cupim. Analisemos o cupim de madeira seca, que não precisa de maiores contatos com o solo ou com fontes de umidade, vivendo na própria madeira seca e, consequentemente, muitas vezes adotando móveis como abrigo. Quando o ataque dos cupins é longo, os estragos são enormes, e os indesejados insetos podem corroer a madeira, deixando, apenas, uma fina e fraca camada de seu alimento, que os abriga da luz solar. Outra espécie disseminada são os cupins de solo, havendo casos em que edificações construídas sobre grandes cupinzeiros foram praticamente destruídas em míseros dias.

Os métodos para eliminar os cupins são variados, um deles, apesar de sua popularidade, é pouco eficaz. A aplicação de querosene não é, pois, recomendada, apesar de funcionar por vez ou outra, o querosene só obtém sucesso pela eventualidade de afastar as pragas por seu forte cheiro em alguns tipos de madeira; em geral, fracassa.

Os inseticidas e produtos imunizantes são as formas recomendadas para o fim dos cupins, e alguns deles só podem ser comprados por pessoas jurídicas, no caso, empresas do setor, existindo diferentes formas de aplicação dos produtos.

O pincelamento protege a madeira, revestindo-a somente em suas superfícies, apesar de evitar a entrada de novos insetos, falha no extermínio dos cupins alojados no interior da madeira. É o mesmo problema do borrifamento. A injeção do inseticida é um método com bons resultados, mas apenas em algumas espécies, sendo que a imersão é mais eficaz, mas carece de um tanque no qual a madeira atacada seja submersa, bem como há limites para a penetração dos produtos.

Por fim, temos a fumigação, que é considerado o método mais eficiente, sendo aplicado inicialmente no país na década de 1980, em restaurações de monumentos históricos. No método, gases tóxicos são liberados no local contaminado, após o mesmo ser devidamente lacrado e todo ser vivo que estiver dentro do ambiente vedado irá ser envenenado. Após a fumigação, aconselha-se o uso de outro método, como o pincelamento, para evitar a entrada de novos cupins.

Quando o inimigo é o cupim de solo, o problema é maior, pois além de matar o inseto como foi descrito acima, deve-se evitar que o cupinzeiro originário do comedor de madeira não cause mais problemas, sendo necessário, em primeiro lugar, investigar o local exato do foco de cupins. Em seguida, criam-se barreiras químicas para o mesmo, através de valas. Caso isto não seja feito, novas levas de cupins irão emergir por tubulações e causarão mais estragos, além do que é bom lembrar que imunizações frequentes podem evitar problemas futuros.

 

Belo Horizonte
Rua Congonhas, 494 -Santo Antonio
CEP 30330-100 Telefone: (31)3281.4030
email: geral@precisaoconsultoria.com.br