Francisco Maia & Associados
   

Material certificado

Publicado em 2 de dezembro de 2007 - Advogado/Engenheiro Francisco Maia Neto

A onda verde parece ter chegado definitivamente ao setor imobiliário, estando o conceito de sustentabilidade cada vez mais presente nas novas edificações, onde muitas iniciativas tomam corpo, sendo que um dos entraves verificados nessa fase inicial está justamente na incerteza quanto à qualidade e boa-fé dos produtos a serem utilizados.

No caso dos materiais de construção convencionais, o mercado imobiliário amadureceu bastante, existindo uma gama de normas técnicas voltadas a esse segmento, o que não acontece com os materiais sustentáveis, até porque carecem de parâmetros para classificá-los.

Foi pensando nessa lacuna que recentemente o IBF(Instituto Falcão Bauer), de São Paulo, em parceria com o Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica (IDHEA), lançou o Selo Ecológico Falcão Bauer, cujo objetivo é facilitar a escolha de quem quer certificar a idoneidade desses materiais.

O selo verde para materiais de construção busca determinar não só as qualidades técnicas e as vantagens socioambientais dos materiais de construção, mas também dos produtos relacionados a outras indústrias, tais como têxteis e químicas.

Como os especialistas avaliam que o mercado ainda se encontra imaturo, uma vez que existem materiais interessantes, mas não há como comprovar do que ou como são feitos. Essa iniciativa trará ganhos em vários sentidos, uma vez que, sem ser aprovada no quesito, normas técnicas, o candidato não pode ser submetido à avaliação socioambiental.

Para obter a certificação do IFBQ a empresa interessada deverá preencher um formulário no qual indicará o processo de produção, indicando os benefícios que traz à sociedade e ao ambiente, além de especificar as matérias-primas de seu produto, o que é analisado pela instituição, através de visita à fábrica e avaliação do material.

Numa primeira avaliação, é verificada a conformidade do produto com as Normas Técnicas existentes no Brasil e, em caso de ausência, às normas estrangeiras. O produto pode ainda ser submetido a uma comissão que definirá os parâmetros de qualidade e resistência, passando, então, à análise da composição, para verificar se não apresenta componentes tóxicos ou inadequados.

Finalmente, parte-se para a análise do ciclo de vida do produto, que percorre desde o impacto ambiental de sua fabricação até o seu descarte, incluindo visitas ao local de extração e verificação de fornecedores, culminando com a entrega do selo, o que ocorre em diferentes níveis e exige verificação anual para validar a certificação.

Quanto aos níveis, a classificação dos produtos inicia-se com aqueles aceitáveis, que indicam baixo impacto ambiental (pré-ecologia), que se encontram no caminho da sustentabilidade (pró-ecologia), aqueles feitos com matéria natural e de baixo consumo de energia (básico), os que cumprem as exigências de fabricação e um item social (master) e os mais abrangentes, cujas empresas aliam ações ambientais e sociais (plus).

Embora este seja um passo importante, especialistas advertem que não adianta discutir os materiais sem pensar no processo construtivo, embora reconheçam que a certificação dos benefícios ambientais e sociais dos produtos é um importante passo para a sustentabilidade na construção civil.

 

Belo Horizonte
Rua Congonhas, 494 -Santo Antonio
CEP 30330-100 Telefone: (31)3281.4030
email: geral@precisaoconsultoria.com.br